Arquivo de Dezembro, 2013

A juíza Daniela Nudeliman Guiguet Leal, da 2ª Vara Cível da Comarca de Barueri, determinou a retirada de qualquer artigo publicado no blog “escolasempartido.org” e também de terceiros, que mencione a professora Cléo Tibiriçá, ou o curso por ela ministrado, sob o pagamento de multa diária de R$ 1000,00, a ser revertido em indenização em favor da professora.

Segundo a decisão judicial, existem indícios de que o coordenador do blog, Miguel Nagib está extrapolando o seu direito de manifestar sua opinião, ao veicular críticas ofensivas à professora.

Segue a decisão judicial na íntegra: decisao_judicial

300x250imil

Entenda o caso:

A disputa entre a professora da Fatec Barueri Cléo Tibiriçá e o articulista do Instituto Millenium e também coordenador do blog “escolasempartido.org”, Miguel Nagib, teve início após a publicação no blog da denúncia de suposta doutrinação ideológica empreendida pela professora.

De acordo com Nagib, a professora promove em suas aulas a “maior aversão possível a tudo o que não se identifique com uma visão esquerdista ou progressista da sociedade, da cultura, da economia e da história”. Para fundamentar sua acusação, Nagib cita os texto utilizados no plano de ensino da professora, como as reportagens da revista CartaCapital e textos do historiador marxista Eric Hobsbawn, do sociólogo da USP Ruy Braga e do economista Fernando Nogueira da Costa. O blog também chegou a reproduzir uma troca de e-mails pessoais entre a professora e seus alunos.

Em sua defesa, a professora Cléo Tibiriçá afirma que “em educação não existe professor que não entre em sala de aula com a sua visão de mundo e não existe instituição de educação em cujo espaço não conviva diferentes visões, tanto na gestão, como nos docentes e nos alunos”.

As denúncias de Nagib geraram grande repercussão na internet. O caso foi noticiado em várias publicações, como a Revista Veja, Carta Capital e Revista Fórum. O Sindicato dos Trabalhadores do Centro Paula Souza (Sinteps), publicou uma “moção de repúdio contra perseguição à professora da Fatec”, onde classifica (aliás, muito bem classificado) de campanha “fascista e obscurantista do blog Escola sem partido“. O grupo Independente Fatec-SP também se orgulha de ter sido a primeira publicação a denunciar a cruzada difamatória de Miguel Nagib, e de associá-lo ao Instituto Millenium (entidade de extrema direita, ligada aos grandes conglomerados midiáticos). Vergonhoso porém, foi a atitude covarde do recém fundado DCE Fatec, que se silenciou sobre o caso.

Em recente entrevista à Revista Fórum a professora da Fatec desabafa “Minha vida se tornou um inferno, meu telefone não para de tocar em nenhum momento. Na Fatec, meus alunos tem falado muito sobre isso. Tenho visto meu nome envolvido com acusações das quais não posso me defender. Me chamam de marxista, meu Deus, peço desculpas aos meus amigos marxistas, isso é de uma ignorância tão grande, pois é tão difícil se encontrar um de verdade, e eu não sou. Tenho verdadeiro nojo das pessoas que tem me procurado anonimamente na internet…”.

Miguel Nagib provavelmente irá recorrer da decisão judicial. O fato é que a sociedade brasileira caminha para uma radicalização. Infelizmente, campanhas difamatórias empreendidas por publicações de extrema direita serão cada vez mais frequentes.